sábado, 4 de dezembro de 2010

1º Encontro de Violeiros do Pantanal em Cuiabá

CLAUDINHO, PESCUMA E HENRIQUE
Entre os dias 3 e 4 de dezembro, no Centro de Eventos do Pantanal em Cuiabá-MT,  acontece o 1º Encontro de Violeiros e Cantadores do Pantanal , que vai reunir as maiores expressões da canção regional. Será uma espécie de integração musical de amigos violeiros, amantes  da viola e da boa música caipira de raiz, em especial da bacia pantaneira. No palco, o trio Pescuma, Henrique e Claudinho, com João Ormond, Paulo Simões e Pineto Bonilha.

Segundo os organizadores, o evento mostrará uma cantoria que traz  o mais fino da música sertaneja de raiz e regionalista do Brasil. Com grandes clássicos e muita viola caipira os violeiros cantam e encantam o autêntico som lá do sertão, além das composições 

autorais. Detalhe: é  a primeira vez que os quatro estarão juntos no mesmo palco, cantando grandes clássicos da música regional.


JOÃO ORMOND
PAULO SIMÕES
PINETO

Pescuma, Henrique e Claudinho dispensam comentários.  Foi ainda na década de 1980 que Henrique e Claudinho começaram a carreira musical - e passaram a ter Pescuma junto apenas no final da década seguinte por sugestão do amigo Zezé Di Camargo, formando assim o trio Pescuma, Henrique e Claudinho, que hoje é referência no cenário nacional. São chamados de  embaixadores da cultura Mato-grossense em especial do Rasqueado Cuiabano.

João Ormond  é violeiro do pantanal, com cinco CD’s lançados “Rio Abaixo” (1.997), “Capins e Riachos” (1.999), “Reduto de Violeiro” (2001), “Viola Encantada” (2006) e o mais recente “Muito Longe Rio Acima” (2009) todos produções independentes. O CD “Reduto de Violeiro” foi indicado ao prêmio “Caras de Música” na categoria melhor CD regional. Fez diversos shows memoráveis com o saudoso “Pena Branca” (da dupla Pena Branca e Xavantinho) em São Paulo, Minas e Mato Grosso. A música “Lá no Sertão” de sua autoria foi gravada pela consagrada Lecy Brandão.

A amizade com Paulo Simões tem proporcionado importantes parcerias, como as quatro faixas que estão no mais recente trabalho “Muito Longe Rio Acima”. Com um ponteado ímpar e harmônico, toca modas, toadas e ritmos da fronteira mato-grossense. Enfim, as suas canções são emoções e magias como uma lua cheia prateada lá no mar de xarayés – o Pantanal. Carioca de nascimento, Paulo foi criado em Campo Grande,  antigo Mato Grosso, onde descobriu a música, e muitos dos futuros parceiros como os irmãos Espíndola: Geraldo, Celito, Tetê, Alzira e Jerry.

Pineto Bonilha é cantor e Compositor da Velha Guarda dos Festivais de Cançoes estudantis, trabalha na área de produção musical e criação de Jingles desde 1991, época em que montou o primeiro estúdio de gravações de áudio profissional em Cuiabá passando a se dedicar exclusivamente ao mundo das inúmeras possibilidades musicais. Com seu violão e voz suave, defende o romantismo poético e intimista em sua obra. Fez participações em diversos CDs como instrumentista e cantor. Entre as composições de Pineto gravadas por grandes artistas como Pescuma, Henrique e Claudinho estão “Morena Flor Tropical”, “Água Viva”, “Violeiro Cantador”, “Na Correnteza do Rio”, entre outras.