sábado, 7 de abril de 2012

EU DIGO SIM AOS INDIOS E AS CULTURAS TRADICIONAIS




EU DIGO SIM!

Campanha EU DIGO SIM aos Índios e às Culturas Tradicionais do Brasil.

Um ato de dignidade e integridade ao povo que nos recebe e cuida com amor do Planeta Terra! A campanha "Eu Digo Sim!" é um ato de elevação astral e energética...

Quando dizemos Sim a algo, afirmamos aquela verdade. Este é um ato de afirmação de apoio aos Índios e às Culturas Tradicionais do Brasil, contra a PEC 215, que visa desestabilizar a questão ambiental brasileira e de conservação da cultura dos Povos Tradicionais do Pindorama (nome original do Brasil).

Também é um ato de afirmação e apoio à nossa Verdade, que está sendo tão duramente ignorada pelo Governo Dilma, através de ações maquiadas de "desenvolvimento" (PAC - Programa de Aceleração do Crescimento).

O Ato do "Digo Sim" é simples, mas exige firmeza; Dizer Sim não é simplesmente "mexer a boca", dizer Sim é fazer de suas palavras a sua ação... é ser íntegro com aquilo em que acredita e não medir esforços para realizar... Se você está lendo estas palavras até aqui, é porque estou tocando em algum ponto no qual poderemos agir juntos. Muitas revoluções começaram com ações simples; a que eu mais gosto de citar é a "Marcha do Sal", passagem histórica de Mahatma Gandhi, na Índia.

Na "Marcha do Sal", Gandhi mostrou uma verdade simples: o Sal é gratuito e abundante na Natureza, não é mais necessário se pagar por ele, mas, na verdade, o que ele estava fazendo era a declaração da independência indiana em relação ao domínio inglês.

Dizer Sim aos Índios e às Culturas Tradicionais do Brasil, povo que são os reais protetores desta terra chamada "Brasil", é afirmar e fazer valer sua palavra e sentimento de Amor pela Mãe Natureza, representada tão abundantemente aqui no nosso país pela Amazônia, Rios, Florestas, Praias, Fauna, Flora e todos os recursos naturais... Dizer Sim é o princípio... Fazer valer sua palavra é o passo... Incentivar outras pessoas a fazer o mesmo... compartilhar, é o meio! Abraços de Luz.


(texto de Bruno Ananda)

***