quarta-feira, 26 de fevereiro de 2014

O seu DIREITO TERMINA, onde o MEU COMEÇA...

OPINIÃO: No século 21, ser gay vai terminar sendo obrigatório

9 de abril de 2013
Por 
Do BLOG DE RENATO RIELLA
Daniela Mercury é destaque em toda a mídia, inclusive na Veja, por sua nova opção sexual. Não é assunto simples. Ser gay não é igual a raspar a cabeça, nem mesmo fazer uma tatuagem. Ninguém pode dizer assim: “Vou ali ser gay um pouquinho e volto logo”. É mais definitivo do que o vício do crack, com implicações sociais ainda complicadas.

Assim, todos os que temos influência sobre seres humanos – pais, educadores, jornalistas, analistas, psicólogos, etc – devemos mergulhar nessa discussão, alertando nossos grupos de penetração social para a seriedade do assunto. Gay, até sim, se for sem modismo. Se for um componente biológico ou mental claro. Não gostaria de ver um jovem (ou uma jovem) ligado a mim optar pelo bi-sexualismo como tentativa, ou porque lhe abre espaço social e até mercado de trabalho.

Desculpe a grosseria, mas nas ruas há uma sabedoria de grande profundidade, que os mais ignorantes demonstram, quando dizem: “Existe ex tudo, menos ex-viado”. Por isso, quem quiser virar gay perscrute (a palavra exata é esta) profundamente a sua alma e decida-se – sem volta. É preciso neste momento começar a passar essa mensagem nas escolas, nos jornais, nas novelas, onde for preciso.

Não podemos deixar, por exemplo, que autores de novela claramente gays induzam a juventude a seguir este caminho. Que eles tenham a honestidade de mostrar as coisas como elas são, propondo reflexão íntima às pessoas influenciáveis pelos meios de comunicação. Pode ser duro, mas Jabor fez um comentário que exprime parcialmente o momento vivido pelo Brasil – o país mais liberal do mundo.

Jabor disse que ser gay, antes, era até proibido; depois, foi sendo praticado sem que a sociedade dissesse que estava vendo; em seguida, foi aceito de forma discreta por todos; hoje, é plenamente incentivado. E Jabor conclui: “Quando passar a ser obrigatório me avisem, para poder fugir a tempo”. Esta é a realidade presente, num momento profundo de transição, que não sabemos onde vamos chegar.

O que temo, mesmo, é que gente jovem opte pelo gaysismo por pura moda e depois se arrependa, estando porém marcada intimamente e socialmente. Quem quiser que me crucifique, mas isso não é homofobia. É liberdade de expressão, o bem maior que conquistamos no Brasil nessas últimas décadas. Não dê por dar.

http://www.faroldenoticias.com.br/site/opiniao-no-seculo-21-ser-gay-vai-terminar-sendo-obrigatorio/