sábado, 19 de setembro de 2015

Crônica da Cláudia Fanaia, continuação... a SAGA.

Já peguei a minha filha, já fiz o almoço para os 3 filhos. Fiz um franguinho empanado, com batata frita, arroz, feijão e salada de tomate e alface.

Ontem sai a noite, fui tentar desestressar, mas não consegui, voltei cedo, antes das 2h já estava em casa, rodei, rodei e nada me agradou... resolvi dormir.

Também amo a DANÇA,  acho que está no DNA, pois minha mãe também amava e muitas mulheres da minha família também gostam e fizeram aulas de danças.

Meus pais já morreram, há muitos anos. Então, qualquer semelhança com o nome do meu pai ou minha mãe, é pura semelhança, nenhum dos 2 estão vivos.

Sei que a minha volta, várias pessoas são postas para saber da minha vida, eles precisam de informações, porém as pessoas que são colocadas para investigar a minha vida, tem graves problemas mentais, tem dificuldade de discernir entre a realidade e a fantasia.

Durante a minha vida inteira, desde que vim para cada em 1985,  principalmente, por que a vida sem o meu pai, ficou menos vida de adolescente e começou a ser uma vida de adulta, com apenas 17 anos.

Comecei a trabalhar e dar aulas, no Colégio EDUCA, com 17 anos, aqui no Bairro Araés. Por coincidência, tudo onde eu trabalho, querem fechar,   mas eles não conseguem,  pois as coisas, são impossível fechar as portas e eles não tem poder para isto, as pessoas são mais fortes que eles. E suas armações não dão certos.  Sendo assim, não acredito muito em reportagem que passam na TV, fico no aguardo de mais informações, pois sei que existe algo de pobre, aqui em CUIABÁ.

Faz 30 anos que estou em Cuiabá, desde que vim para cá,  estou sendo alvo de algo que não sabia, a minha família tinha um segredo, alias muitos, que não queriam falar, mas esquecer. Mas esquecer como, se não deixam, melhor, penso que eles querem ser a gente.

Uns destes segredo, está ligado as grandes guerras, 2 bisavós, participaram na evacuação de muitas pessoas que fugiam das grandes guerras no inicio do seculo XX. Um era almirante da Marinha Inglesa, outro era da Marinha Mercantil em Portugal.  Neste período, enfrentar os nazistas era algo irracional, melhor não brincar com esta gente.

Acredito, que aqui em Cuiabá, tem vários descendentes dos nazistas, penso que conheço umas 30 pessoas. Alguns trocaram os nomes e eles vivem no meu pé.  Dorst e Fanaia foram seus principais rivais, salvaram muitas pessoas, desde esta época estão sendo seguidos, mas felizmente, poucos pagaram com a vida, pois eles encontram muitas pessoas que ajudavam e protegiam, até davam suas vidas para proteger. Mas posso dizer com certeza, todos que me perseguem estão ligadas a eles, os descendentes dos naziprotestantess.


POR TRÁS DESDE JOGO DE COMPRAS DE SENTENÇAS E INJUSTIÇAS, POR TRÁS DA DITADURA NO BRASIL, EXISTEM MUITOS NAZISTAS E AQUI NO BRASIL,  ERA O PARAÍSO DELES, OU AINDA É.  ALGO A SE PENSAR.

ELES VIVEM NO MUNDO INTEIRO, QUEREM O PODER, USAM AS PESSOAS PARA ISTO. É BOM SE CUIDAR.