sábado, 4 de fevereiro de 2017

Primeira ministra defende Trump de líder do Partido Trabalhista britânico

"Ele pode liderar um protesto, eu lidero um país", falou a primeira ministra.

Theresa May é a segunda primeira ministra britânica depois da icônica conservadora Margaret Thatcher.

Em vídeo, a primeira ministra inglesa Theresa May, do Partido Conservador, foi questionada pelo político do Partido Trabalhista britânico, Jeremy Corbin, se as recentes ações do presidente americano Donald Trump não seria suficientes para que a primeira ministra retirasse oficialmente seu convite à visita. A resposta dada em tom enfático por Theresa May gerou reações surpreendentes na corte e na internet.

"O vídeo a seguir pode parecer como apenas mais uma boa resposta que uma conservadora dá à choradeira ditatorial esquerdista. Ele realmente é uma ótima resposta, algo que pode inclusive inspirar muita gente a enfrentar a esquerda mais escandalosa. Ele também mostra outra coisa muito interessante, como responder a altura, quando é o conservador que está no poder. Esta parece ser uma posição delicada, pois estando no poder, a tendência é que o alvo das críticas seja você mesmo, são suas políticas que ficam em evidência', introduziu o grupo Tradutores de Direita, responsável pela disseminação, tradução e legendas do vídeo.

No mesmo, podemos observar o líder do Partido Trabalhista fazendo questionamentos e críticas ao presidente Donald Trump e ao convite da primeira ministra ao mesmo:

"O presidente Trump rasgou acordos internacionais sobre refugiados, Ele ameaçou jogar fora os acordos internacionais sobre mudança climática. Ele defendeu o uso de tortura, incitou ódio contra muçulmanos, atacou diretamente os direitos das mulheres. O que mais o presidente Trump deve fazer para que a primeira ministra escute aos 1,8 milhões de pessoas que demandam que o convite de sua visita oficial seja retirado?"

Eis que então a líder Theresa May responde:

"A política exterior ideal para o honrado cavalheiro é rejeitar e insultar o chefe de estado democraticamente eleito de nosso mais importante aliado", começa, referindo-se à Trump e aos Estados Unidos. "Vamos ver o que ele teria alcançado na última semana. Seria capaz de proteger os cidadãos britânicos do impacto do decreto presidencial? Não. Lançaria as bases de um acordo comercial? Não. Conseguiria um compromisso de 100% com a OTAN? Não. É isso que o trabalhista tem a oferecer a este país: Menos proteção aos cidadão britânicos, menos prosperidade, menos segurança", declarou em voz firme a líder. E concluiu: "Ele pode liderar um protesto, eu lidero um país." A declaração recebeu gritos e aplausos dos outros presentes na reunião

https://www.theguardian.com/politics/video/2017/feb/01/theresa-may-pmqs-trump-state-visit-jeremy-corbyn-video