quarta-feira, 15 de março de 2017

Krav Fest reúne atletas de 4 Estados e comemora 1 ano da OBK

 Krav Fest reúne atletas de Mato Grosso, Paraná, Rio de Janeiro e Rio Grande do Sul em Cuiabá

A Organização Brasileira de Krav Magá (OBK) realiza neste fim de semana, sexta (17) e sábado (18) o Primeiro Krav Fest, dentro do Centro de Treinamento da arte marcial, localizado no centro de Cuiabá.

O objetivo é comemorar um ano da OBK, entidade exclusivamente dedicada à arte marcial judaica na Capital e também celebrar a formação dos dois primeiros faixas pretas treinados em Cuiabá, após cinco anos de treino, no final do ano passado.

No primeiro dia do evento, sexta (17), acontecem os exames de faixas coloridas, a partir das 20h. No dia seguinte, serão realizados seminários durante todo o dia, na Academia Shin de Taekwondo, em horários alternados, entre as 08h e as 11h e depois entre as 13h e as 15h. Depois, a festa é transferida para uma aula aberta no Parque das Águas, com previsão de início às 16h horas.

Tudo termina com um jantar na casa de um dos professores, a partir das 20h. O seminário vai abordar essencialmente defesa pessoal. Podem participar homens e mulheres, explica o professor Gustavo Monteiro da Costa, 40 anos. Ele explica também que vão estar presentes um professor do Rio Grande do Sul e quatro outros do Rio de Janeiro, além de representantes do Paraná e, claro, de Mato Grosso.

Formado em educação física, Gustavo Costa, começou a praticar o krav magá em 2011. Como vinha de outras artes marciais, é quarto Dan de taekwondo, além de já ter treinado judô, kung fu e aikidô, sentiu facilidade na técnica e, naquele mesmo ano, já dava aulas.

O krav maga foi criado na década de 1940, para treinar um exército judaico rebelde – o Haganá. Com a independência do Estado de Israel, em 1949, o criador da técnica, o húngaro Imi Lichtenfeld (1910-1998), treinou o Exército e a força policial do país recém criado.

Em 1964, Imi se aposentou e passou a ensinar a luta aos civis. A partir daí, o krav maga se difundiu pelo mundo como técnica de defesa pessoal. Diferente de outras artes marciais, porém, jamais se tornou um esporte somente, pois não há competições oficiais nem regras de pontuação, apesar da graduação hoje em faixas.

 O principal objetivo da técnica é abater o adversário – seja ele um assaltante, um soldado inimigo – rapidamente, sempre atacando seus pontos críticos e contragolpeando quando atacado.

 Para participar do evento, é necessário investir R$ 150  (com jantar incluso, na noite de sábado, no edifício Maison Royale, na casa de um dos professores

Site
http://www.rdnews.com.br