segunda-feira, 27 de fevereiro de 2017

ORLA DO PORTO E O CARNAVAL 2017

Fui acompanhar o CARNAVAL EM CUIABÁ, faz muito tempo que não fico por aqui, filhos e querendo tranquilidade, procuro algo mais light.

Bom, meu ritmo mudou e PARTI para a ORLA DO PORTO... quero MOVIMENTO.

E POSSO DIZER A VOCÊS, depois da revitalização do Porto, Cuiabá ganhou um local para se divertir e deu  vida a um cartão postal de Cuiabá.  PARABÉNS AO PREFEITO, PELO BOM TRABALHO.

QUEM ESTIVER EM CUIABÁ,  VALE A PENA IR E CURTIR TUDO.

Estava muito bem organizado, tem vários  estacionamento em volta, que está em torna de R$ 10,00 a noite inteira, que está muito bom o preço.

Na entrada estavam revistando as pessoas, tinha que abrir a bolsa e  era verificado se não havia nenhum objeto perigoso.

Lá dentro,  as ruas em volta, todas fechadas com muros de mais de 2 metros de alturas, tendo apenas saidas e entradas controladas por uma equipe de segurança particular.

TINHA 2 PALCOS, UM PRINCIPAL QUE SE INICIA PERTO DO MUSEO DO RIO E O OUTRO NO FINAL DA AVENIDA, PERTO DO ANTIGO SUPERMERCADO MODELO.

TODA A ORLA DO PORTO, TEM UMA EQUIPE DA PM FAZENDO SEGURANÇA E MONITORANDO OS FOLIOES.

AS BANDAS ERAM MUITO BOAS, DANÇEI E CURTI MUITO, MAS SOU CINDERELA, MEIA-NOITE EM CASA.

PALCO PRINCIPAL - BANDA SERTANEJA QUE CANTAVAM MARCHINHAS POPULARES E SERTANEJO

PALCO PRINCIPAL - ORLA DO PORTO

ORLA DO PORTO CUIABÁ

PALCO SEGUNDÁRIO = A BANDA É MUITO BOA

segunda-feira, 20 de fevereiro de 2017

VIDA LONGA E SAUDÁVEL

*Vida Longa e Saudável*

(Lair Ribeiro) Ótimo Dia Para Vc!!!!!

1-Ovo cozido ou ovo mole = contra queda da visão e demência cerebral;

2- Coco: está  cheio de "copra", ácido láurico. Tomar água de coco e utilizar óleo de coco pra fritar previne Alzheimer e Parkson;

3-Chá verde tem galato que é anticâncer e anti-envelhecimento, mas tem que fazer a partir da erva;

3- Suco de caixinha Del Valle e outros só têm açúcar, água e produtos artificiais, muito, mais nada;

4- Óleo de oliva é excelente para a função cerebral, mas só se estiver  no vidro escuro, se for na lata tem metais pesados faz mal à saúde;

4- Substituir o óleo de cozinha vegetal por banha de porco evita o enfarte. Nunca reutilize o óleo de cozinha, a banha pode ser reutilizada 50 vezes, só faz bem. Aprendemos errado;

5-Curry: é super anti inflamatório e anti depressivo (cúrcuma ou açafrão) ;

6- *Magnésio* é o rei dos minerais, ele participa de mais de 300 reações químicas no corpo, anti-arritmia, também é anti-depressivo;

7-Selênio: evita HIPOTIROIDISMO,
Iodo pra combater intoxicação por agrotóxicos;

8a.-Magnésio e Vitamina D3: fixam o cálcio nos ossos. Sem eles, ocorre a calcificação das artérias;

8b.-Vitamina D3: previne câncer e acelera o crescimento da criança e adolescente, é considerado um hormônio;

9-Vitamina A: aumenta a visão noturna, melhora a capacidade de aprendizado;

10-Omega 3: não pode ter cheiro de peixe, senão está oxidado; e a cápsula não pode congelar no freezer após 5 horas, se congelar é falsificado.
O Omega 3 bom é caro e importado do Canadá ou hemisfério norte.
Previne Alzheimer, Mal de Parkson, aumenta em até 15 anos de sobrevida. Evita o infante do miocardio;

11-Panela tem que ser de louça que não deixa resíduo de ferro ou alumínio.
Muito ferro pra mulher é excelente, já para o homem causa ferritina que é causa de ataque cardíaco.

12-Rapé: tira o vício de fumar;

13-Tintura de iodo a 2%: utilizar 5 ml por litro d'água e tampar por 1 hora retira o agrotóxico e o alimento fica igual ao orgânico;

14-Ácido Oxalacético: aumenta seu tempo de vida em anos, porque alimenta sua mitocôndria diretamente,  encontrado no orégano somente nele;

15-O leite de vaca em caixa não serve para nada e ainda provoca câncer de próstata ou mama;

16-Café é muito bom, estimula o cérebro e o raciocínio, aumenta a disposição, dilata os vasos e cria calor no corpo consumindo calorias, ele é termogênico. Detalhe, adoce-o com stevia;

17- Stevita só é o único adoçante que pode ser usado, depois o açúcar mascavo.

Outras informações no link: https://youtu.be/5iye-BIH4Tw

Texto circulado no whatsapp, achei interessante e divulgando

terça-feira, 14 de fevereiro de 2017

FALECEU ONTEM GILDECY OLIVEIRA DA COSTA - Amigo e ex-sindicalista no Judiciário/MT

É com pesar que comunico o FALECIMENTO de um amigo querido GILDECI OLIVEIRA DA COSTA, mas conhecido como GIL.

Conheço GIL,  desde que entrei no TJMT, 1987, na época  casado com CLAUDIA OLIVEIRA, e hoje casado com EDNA MELLO.  Deixou 04 filhos e muitos parentes que gostavam dele.

O que tenho que falar de GIL, sempre estava com ele na busca de Direitos Trabalhistas e ainda nas featas sociais que o Sindicato realizava.  Ele proporcionava festas imensas e com muita música.  Ele era assim, amava fazer um pagote para os amigos e brigava muito com a gente, mas no final, faziamos as pazes.

QUE MEU AMIGO DESCANSE EM PAZ.  QUE FAÇA FESTA NO CÉU PARA RECEBE-LO POIS QUEM FEZ MUITAS NA TERRA TEM QUE SER RECEBIDO POR UMA ESCOLA DE SAMBA.

MEUS PÊSAMES AOS FAMILIARES.

domingo, 5 de fevereiro de 2017

A modernidade abortada


Por Eduardo Mahon


Cuiabá é uma cidade antiga que sempre gostou da modernidade. No entanto, parece que a recíproca não é verdadeira – a modernidade não chegou totalmente à capital mato-grossense. Desde a fundação, no princípio do século XVIII, abriga o novo. No começo, a novidade era a própria descoberta do ouro substituindo a preação indígena. O pequeno povoado rapidamente encheu.

Quando o ouro desapareceu da superfície, tornou a esvaziar. Só sobraram casas de taipa com gente faminta. Lentamente, o aldeamento recuperou-se pela posição estratégica que permitiu Portugal interiorizar as conquistas e firma-las com vários tratados, dentre os quais o mais importante foi assinado em 1750, o Tratado de Madri, pelo qual as áreas comprovadamente ocupadas pelos portugueses seriam reconhecidas pela Coroa Espanhola. Nesse tempo, a novidade vinha de São Paulo, capitania da qual o recém-criado Mato Grosso foi desmembrado.

A navegação fluvial foi responsável pelo regular abastecimento de novidades. Chegavam amanhecidas, tardando na longa jornada entre o Rio de Janeiro e Cuiabá. Vinham tecidos e armarinhos, publicações de toda natureza, móveis, alguma prataria para as mesas mais fidalgas, entre outros sinais da modernidade tardia. Dessa forma, as notícias vinham com tanto atraso que a independência nacional e a proclamação da república demoraram meses para serem comemoradas em Cuiabá. Esse era o panorama do sertão brasileiro de modo geral. Já no Império, firmada a nova capital que havia sido transferida de Vila Bela, um grupo mais ou menos estável constituiu uma espécie de aristocracia, composta de famílias que resistiram às adversidades financeiras, aos tumultos políticos, às agruras de uma economia vacilante. Para essas poucas famílias tradicionais, não havia estudo, obrigando os cuiabanos procurar a graduação primeiro em Coimbra e, depois, em São Paulo e no Rio de Janeiro, então sede do Império e, depois, da República.

Os governantes que por aqui passaram quase não lançavam mão de obras de relevo, com poucas exceções. Uma delas foi João Carlos Augusto von Oyenhausen-Gravenburg, oMarquês de Aracati, responsável por preparar a fixação da capital mato-grossense em Cuiabá. Esse homem foi responsável pela fundação de instituições essenciais como hospitais, escolas técnicas, além do abastecimento de água ao centro urbano que sempre foi um problema. Depois de Oyenhausen, alguns outros são lembrados, como Augusto Leverger, o Barão de Melgaço e José Maria Alencastro.

Seguiu-se turbulência política tão acentuada que os governantes se sucediam do dia para a noite, incapazes de assegurar estabilidade suficiente para que Cuiabá pudesse se desenvolver. O primeiro curso superior em Mato Grosso veio depois do bicentenário de fundação da antiga Vila do Bom Jesus de Cuiabá. A Faculdade de Direito foi aberta e fechada várias vezes, mas lançou a semente do ensino que já estava consolidado em termos de educação média com os salesianos, a Escola Normal e o Liceu Cuiabano. As ideias que circulavam vinham de fora, por meio de franceses, italianos, alemães e dos estudantes que voltavam trazendo na mala publicações não tão vanguardistas.
Cuiabá cresceu à sombra da modernidade, portanto. O que vinha de fora era sempre bem recebido – o cinema, o piano, o bonde, o automóvel, os vestidos, os livros e as pessoas. No começo do século XX, a capital ganhou ares europeus, com passeios calçados, praças ajardinadas, enquanto a periferia ainda permanecia como zona rural quase inabitada. Antes e durante a traumática separação de Mato Grosso do Sul, Cuiabá corria contra o tempo, a fim de recuperar o que já fora moderno no eixo Rio-São Paulo. Demoliu casarões coloniais, alargou as ruas, desenhou edifícios com mais de sete andares, aposentou o bondinho, construiu a primeira piscina na casa do governador, substituiu a pequena matriz por outra imponente e o palácio do governo virou um monstrengo alto, tudo para, enfim, receber a modernidade que acabou chegando aos poucos, já cansada, superada, envelhecida. A prefeitura, por exemplo, é uma sombra do havia sido a vanguarda de Le Corbusier. Não tinha o mesmo frescor que o ministro Gustavo Capanema deu ao Rio de Janeiro ao contratar Lúcio Costa, Niemeyer, Reidy e Burle Marx.
Desde a década de 50, Cuiabá não sabe exatamente que rumo tomar. De vez em quando, parece que a modernidade vai se concentrar noutro canto da cidade, deixando o centro assumir a natural inclinação para o turismo histórico. Outras vezes, ainda observamos intervenção agressiva nos núcleos mais antigos, tentando modernizar e descaracterizar o que restou de colonial. A divisão política entre grupos conservadores e progressistas também acentuou essa descontinuidade da transformação urbana, abortando a sempre sonhada modernidade. Temos uma capital que chega ao tricentenário sem uma identidade definida, que sonha com o novo que nunca chega; que prega a conservação, mas é leniente com demolições; que opta por modais de transporte que demandam descaracterização. Penso que faria bem Cuiabá assumir a própria idade e dela tirar proveito. A capital precisa parar de correr atrás de uma modernidade abortada e olhar no espelho para enxergar beleza nas rugas que o tempo trouxe ao tecido urbano.

Assinatura Eduardo Mahon

http://www.olivre.com.br/colunas/eduardo-mahon/a-modernidade-abortada/58




100 anos de nascimento do genial Luiz-Philippe Pereira Leite, escritor, historiador ...

luis-philippe-pereira-leite
Luis-Philippe Pereira Leite
Biografia
Luis-Philippe Pereira Leite nasceu em Cuiabá, no dia 12 de dezembro de 1916. Filho de João Pereira Leite e de Jovita Valladares Pereira Leite, descendeu de família de estirpe, com raízes na região de Cáceres, visto que seu avô fora proprietário da Fazenda Jacobina, berço de grandes personalidades da História de Mato Grosso. Seus irmãos foram Hermínia e José Venâncio, este último formado em Medicina no Rio de Janeiro e, mais tarde, professor titular da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto-SP.
Depois dos estudos primário e secundário, realizados em sua terra natal, seguiu para o Rio de Janeiro, onde pretendia cursar a Escola Militar. Deixou Cuiabá aos 4 de julho de 1934, descendo o rio Cuiabá, de lancha, até Corumbá, de onde embarcou para Bauru-SP sob os trilhos da Estrada de Ferro Noroeste do Brasil. De lá, reembarcou para São Paulo, ainda sob os trilhos da ferrovia Companhia Paulista, chegando ao Rio de Janeiro em julho de 1934. Foi residir no bairro de Botafogo, em casa da família de Mário Motta, amigo de seu pai e que lhe acompanhara durante toda a viagem.
Depois de algum tempo, resolveu se mudar para um pensionato, também em Botafogo, de propriedade de Naly Amarante Peixoto de Azevedo, filha de Corsino Amarante Peixoto de Azevedo, onde residiu até final do ano de 1935. Depois, mudou-se para a famosa Pensão Zurich, também em Botafogo, onde permameceu até 1937. No ano de 1938 até 1941, hospedou-se no Hotel Bahia, de onde saiu, no último citado ano, para voltar a Cuiabá. O sonho de se tornar militar foi aos poucos sendo abandonado, optando para cursar Direito na Faculdade de Niterói, onde permaneceu por 5 longos anos. Enquanto estudava, resolveu trabalhar no Ministério da Justiça como extranumerário mensalista, nomeação que se deveu a Filinto Müller, então Chefe de Polícia na capital federal, Rio de Janeiro. Seu grande pendor religioso foi sedimentado na convivência fraterna com o primeiro Arcebispo de Cuiabá, D. Francisco de Aquino Corrêa, que o aproximou dos jesuítas, com quem passou a conviver, ainda no Rio de Janeiro.
Em seu retorno a Cuiabá, em março de 1941, foi nomeado, a 27 de março, Oficial de Gabinete do Secretário Geral João Ponce de Arruda, tendo também ocupado o cargo de Procurador Fiscal do Estado, em substituição a José Barros do Vale.
Sua inscrição na Seccional da OAB-MT ocorreu no ano de sua chegada a Cuiabá, tendo obtido o nº 105. Sua aproximação com a entidade se deveu, fundamentalmente, à estreita convivência que mantinha com Mário Corrêa da Costa, Frederico Vaz de Figueiredo, Generoso Ponce de Arruda, todos integrantes do Conselho da OAB, naquele período, organismo que integrou durante as gestões de 1941-1943, junto à Comissão de Sindicância, sendo que, entre 1943 e 1991, ocupou o cargo de Tesoureiro.
Seu antigo sonho de integrar o Exército foi-lhe proporcionado no ano 1942, quando ingressou nas fileiras do 16º Batalhão de Caçadores (hoje 44º BIM), esperançoso de poder servir as fileiras brasileiras na 2ª Guerra Mundial. Chegou a 2º Tenente em 1944, estágio em que permaneceu até o ano seguinte, quando cursou o NPOR, em seguida.
Membro da Academia Mato-Grossense de Letras foi recepcionado por D. Francisco de Aquino Corrêa. Sócio e Presidente de Honra do Instituto Histórico e Geográfico de Mato Grosso, instituição que presidiu por vinte anos.
Em 1945, foi nomeado pelo Interventor Júlio Müller, ao lado de Benedito Vaz de Figueiredo, Estevão Corrêa e António de Arruda, para elaborar um projeto de Constituição para o Estado de Mato Grosso. Após este trabalho, Luis-Philippe foi convidado a assumir a Secretaria de Justiça, no lugar de Amarílio Novis. Declinou do honroso convite para se manter nas funções de Procurador Fiscal.
Deputado Constituinte em 1946, colaborou de forma inequívoca na elaboração da Carta Constitucional de Mato Grosso de 1947, ao lado de José Manuel Fontalillas Fragelli, Sebastião de Oliveira, Lenine de Campos Póvoas, Valdir dos Santos Pereira, Italívio Coelho, Penn de Morais Gomes e outros expressivos nomes.
Foi nomeado, em outubro de 1947, para o cargo de Procurador Geral do Estado, no governo Arnaldo Estevão de Figueiredo, tomando assento no Tribunal de Justiça estadual. Na década de 1950, sua visão sofreu avaria e ele ficou cego, o que o fez afastar lentamente dos cargos que ocupava. Assumiu o Cartório do 2º Ofício, que pertencera a seu pai, falecido em 1959. Mesmo com problema na visão, Luis-Philippe conduziu, com rigor e maestria, o Cartório do 2º Ofício, onde permanecia o dia todo, assinando papéis e determinando o andamento daquele organismo.
Faleceu em Ribeirão Preto-SP, no dia 4 de fevereiro de 1999. Seu corpo transladado para Cuiabá, onde foi enterrado com todas as honras

PESQUISA - SITE DA ACADEMIA DE LETRAS DE MATO GROSSO.

Jejum faz as células se comerem e renova o organismo

Ohsumi ganhou o Nobel de medicina

Não é dieta ou regime. Os cientistas estão pesquisando como o jejum ou o corte radical de calorias pode promover o aumento da expectativa de vida. A alimentação equilibrada e rica em nutrientes é fundamental para uma boa saúde. Porém, já é sabido que a privação de alimentos de forma controlada pode ativar mecanismos de autodefesa das células que garantem a elas maior longevidade. É isso que se traduz em benefícios para todo o organismo. Tudo por causa da autofagia. Ela é um mecanismo importante de autolimpeza que existe em todas as células de nosso corpo. Os genes que regulam essa reciclagem de organelas velhas ou malformadas foram identificados por Yoshinori Ohsumi, ganhador do Nobel de medicina deste ano. A redução da autofagia leva ao acúmulo de componentes danificados, o que está associado à morte das células e ao desenvolvimento de doenças. Assim, manter o mecanismo ativo seria uma forma de prevenir problemas futuros.

A autofagia é ativada quando a célula está em situações de estresse. Por exemplo, quando o indivíduo fuma um cigarro ou deixa de se alimentar. Para sobreviver, a célula passa a “comer” partes internas, degradando tudo o que tem de ruim. Quanto mais o mecanismo funciona maior a faxina interna.

“O jejum induz a autofagia, isso é sabido. Também sabemos que a autofagia induz a longevidade. A busca agora é entender a conexão entre a autofagia ativada pelo jejum e a longevidade das células”, explica Soraya Smaili, professora livre-docente da Escola Paulista de Medicina. Segundo ela, a maioria dos estudos feitos até hoje foi com animais. 

Outra forma de ativar a autofagia e propiciar benefícios para o organismo é com a restrição do consumo de alimentos. Para funcionar, a redução de calorias ingeridas deve variar entre 20% e 60%, de acordo com as pesquisas. “Não é o jejum, é a diminuição prolongada de consumo de nutrientes. A autofagia é aumentada”, explica Luciana Gomes. A redução ocorreria principalmente no consumo de carboidratos e proteínas.

Contudo, se a privação de nutrientes for muito longa, os efeitos passam a ser negativos. Nesse caso, a célula poderia começar a degradar componentes bons, que funcionam. O ideal seria conseguir estimular a faxina interna em tempo certo, sem excessos. Para isso, os cientistas pesquisam qual seria o tempo de jejum e o nível de redução calórica que garantiriam os efeitos benéficos sem causar prejuízos.

Smaili diz que há estudos feitos em humanos que mostram que o jejum, se bem conduzido e monitorado, traz benefícios a longo prazo. “Não é um jejum prolongado. É de 12 e no máximo 24 horas. E pode ser específico, de alguns nutrientes, como carboidratos e proteínas”, afirma. Durante o jejum, seria importante manter o consumo de água e de sais, para não provocar aumento da pressão arterial ou desidratação. Um soro pode cumprir essa função. E o jejum só poderia ser feito por pessoas saudáveis.

Para garantir o aumento da expectativa de vida a longo prazo, o jejum precisaria ser feito de forma periódica. “Não adianta fazer um hoje e outro no ano que vem”, diz a farmacóloga da Unifesp. Já a redução calórica precisaria ser permanente para produzir efeitos. “Como é difícil ter essa disciplina, surgiu a busca para confirmar se jejum intermitente conseguiria levar aos mesmos efeitos”, complementa a biomédica da USP. 

As pesquisas existentes ainda não possuem resultados que permitam traçar uma indicação de frequência do jejum. Quanto à restrição calórica, Gomes explica que em testes com animais os melhores resultados ocorreram entre os que foram mantidos em restrição calórica desde o nascimento. O aumento da expectativa de vida chegaria, nesses casos, a 30%.

(UOL Notícias)

Nota: Há mais de um século, Ellen White recomendou: “Para certas ocasiões, o jejum e a oração são recomendáveis e apropriados. Na mão de Deus são o meio de purificar o coração e promover uma disposição de espírito receptiva. Obtemos resposta às nossas orações porque humilhamos nossa alma perante Deus. [...] Agora e daqui por diante até ao fim do tempo, deve o povo de Deus ser mais fervoroso, mais desperto, não confiando em sua sabedoria, mas na sabedoria de seu Líder. Devem pôr de parte dias de jejum e oração. Pode não ser requerida a completa abstinência de alimento, mas devem comer moderadamente, do alimento mais simples” (Conselhos Sobre o Regime Alimentar, p. 188, 189). 

Além dos benefícios físicos cientificamente comprovados, o jejum recomendado pela Bíblia e por Ellen White tem o poder de desintoxicar o organismo e deixar a mente mais clara, daí porque ele faz parte das práticas/disciplinas espirituais. “Com a mente servimos ao Senhor”, escreveu White (Temperança, p. 14), e tudo o que pudermos fazer para manter a mente clara favorecerá a compreensão da vontade de Deus. [MB]

sábado, 4 de fevereiro de 2017

Primeira ministra defende Trump de líder do Partido Trabalhista britânico

"Ele pode liderar um protesto, eu lidero um país", falou a primeira ministra.

Theresa May é a segunda primeira ministra britânica depois da icônica conservadora Margaret Thatcher.

Em vídeo, a primeira ministra inglesa Theresa May, do Partido Conservador, foi questionada pelo político do Partido Trabalhista britânico, Jeremy Corbin, se as recentes ações do presidente americano Donald Trump não seria suficientes para que a primeira ministra retirasse oficialmente seu convite à visita. A resposta dada em tom enfático por Theresa May gerou reações surpreendentes na corte e na internet.

"O vídeo a seguir pode parecer como apenas mais uma boa resposta que uma conservadora dá à choradeira ditatorial esquerdista. Ele realmente é uma ótima resposta, algo que pode inclusive inspirar muita gente a enfrentar a esquerda mais escandalosa. Ele também mostra outra coisa muito interessante, como responder a altura, quando é o conservador que está no poder. Esta parece ser uma posição delicada, pois estando no poder, a tendência é que o alvo das críticas seja você mesmo, são suas políticas que ficam em evidência', introduziu o grupo Tradutores de Direita, responsável pela disseminação, tradução e legendas do vídeo.

No mesmo, podemos observar o líder do Partido Trabalhista fazendo questionamentos e críticas ao presidente Donald Trump e ao convite da primeira ministra ao mesmo:

"O presidente Trump rasgou acordos internacionais sobre refugiados, Ele ameaçou jogar fora os acordos internacionais sobre mudança climática. Ele defendeu o uso de tortura, incitou ódio contra muçulmanos, atacou diretamente os direitos das mulheres. O que mais o presidente Trump deve fazer para que a primeira ministra escute aos 1,8 milhões de pessoas que demandam que o convite de sua visita oficial seja retirado?"

Eis que então a líder Theresa May responde:

"A política exterior ideal para o honrado cavalheiro é rejeitar e insultar o chefe de estado democraticamente eleito de nosso mais importante aliado", começa, referindo-se à Trump e aos Estados Unidos. "Vamos ver o que ele teria alcançado na última semana. Seria capaz de proteger os cidadãos britânicos do impacto do decreto presidencial? Não. Lançaria as bases de um acordo comercial? Não. Conseguiria um compromisso de 100% com a OTAN? Não. É isso que o trabalhista tem a oferecer a este país: Menos proteção aos cidadão britânicos, menos prosperidade, menos segurança", declarou em voz firme a líder. E concluiu: "Ele pode liderar um protesto, eu lidero um país." A declaração recebeu gritos e aplausos dos outros presentes na reunião

https://www.theguardian.com/politics/video/2017/feb/01/theresa-may-pmqs-trump-state-visit-jeremy-corbyn-video

quarta-feira, 1 de fevereiro de 2017

NÓS SOMOS A VIDA

Ouvi está  frase da cantora ANITTA.

A VIDA ENTROU. ..  Não entendi na hora, so comecei a entender quando vi que cessaram algumas coisas e o mundo começa a voltar o normal.

EU AUMENTEI A FRASE DA ANITTA, QUANDO VI OS JUDEUS SENDO DESPEJADO NA CISJORDANIA.

Todos que me conhece sabe que estou em uma CAMPANHA A FAVOR DA DIGNIDADE HUMANA, mas as vezes, as lutas sociais não são fáceis.

QUANDO VI A CENA NO PERISCOPE, UM SOLDADO GRAVANDO E FALANDO EM FRANCÊS. .. E SOU BOA NO FRANCÊS.  CONHEÇO VÁRIOS SOLDADOS DE VÁRIAS PAÍSES E TODOS SÃO MEUS AMIGOS.

EU DISSE ESTA FRASE PARA ELE: " LA PAIX EST UN DROIT POUR TOUS"... E "NOUS SOMMES LA VIE".

A frase diz, A paz é un direito de todos e Nós somos a vida.

Me desculpem os HOMOSSEXUAIS , a maioria dos Gays estão do meu lado, e RESPEITAM a minha opção de ser HETEROSSEXUAL,  mas eles sabem muito bem,  que somos a continuação da vida.  A VIDA DE SEUS PAIS E AVÓS.

E OS ÁRABES, PALESTINOS E JUDEUS SÃO GERADORES DE VIDA NA TERRA POR FAZEREM A OPÇÃO POR SER HETEROSSEXUAIS...  NÓS SOMOS A VIDA.

Agradeço ao  SOLDADO, que entendeu a mensagem ... 

"LA PAIX EST UN DROIT POUR TOUS  ET NOUS SOMMES LA VIE."